quarta-feira, novembro 18, 2009

Confessem lá!

Gostei tanto deste post da Cinderela que resolvi lançar aqui um desafio. Quantos de vocês, que leram o "Cem Anos de Solidão", do Gabriel Garcia Marques, tiveram de fazer uma cábula com a árvore genealógica da família Buendía? A sério, acho isto mesmo giro. Afinal, não lemos todos da mesma maneira. Digam de vossa justiça!

Depois conto a minha experiência. Se disser já, perde a piada ;)

15 comentários:

pepita chocolate disse...

è um dos meus livros favoritos...

Curiosamente, quando decidi ler o livro, foi-me emprestado.

E ele já vinha com uma folhinha na contracapa, feita por quem me emprestouo livro, com "uma espécie" de árvore genealógica da família. Poupou-me algum trabalho, assim que comecei a ler a história. Incicialmente, não percebi a ideia do tal esquema. Depois, o emaranhado era tal, que percebi o porquê da folhinha.

Beijoca!

inesinho disse...

Idem. Li em inglês, quando fazia Erasmus. No final do livro tinha uma árvore, que primeiro ignorei, mas depois bem jeito me deu, até porque já tinha começado a fazer uma...

Cinderela disse...

Bem, como deve ter dado para perceber pelo meu post, eu não fiz a árvore, nem outro esquema qualquer. Não senti necessidade. Embrenhei-me de tal modo na estória, que identificava perfeitamente todos os Aurelianos e Josés Arcadios da família.
Com certeza que para isso também deve ter contribuído o facto de ter lido o livro num só fim-de-semana...
Beijinhos, gostei do desafio!

Di disse...

Olá!

Também já li esse livro e confesso que foi um dos melhores livros que li do Gabriel. Tal como tu, também tive sim que fazer um esquema, não fosse perder-me pelo caminho e não saber quem era quem.

Beijinho,

Di.

Olhos Dourados disse...

Eu não li...

P.S: Obrigada pela tua visita e pelo teu comentário. É bom saber que as pequenas parvoices que escrevo até são do agrado das pessoas=)
Volta sempre!;)

Anónimo disse...

Gostei do livro q já li há uns anitos. Confesso q n fiz a árvore genealógica pois qdo leio é p descontrair...Se teria compreendido melhor quem era quem naquilo tudo, sem dúvida, m o espírito da história ficou na mesma. :)

margarida disse...

Eu li e fiz a árvore genealógica. Já vi o livro que a traz numa das folhas iniciais e acho mal! Quem quer faz, é mais giro!

Tanita disse...

É simplesmente o meu livro favorito, de muito e muito que já li, nenhum supera este.
Todos os anos o re-leio. Até já sei frase de cor... boa escolha!

Tanita disse...

Ah, o Amor nos Tempos de Cólera, talvez supere este livro... é uma indecisão. Fico com os dois!

A Rapariga da Porta ao Lado disse...

Eu não senti necessidade de fazer a árvore. serei um ser intelectualmente mais avançado, como diz a cinderela? ;)

beijo

Lebasiana disse...

nao li... :(

mas deixo um jinho antes de sair!

PAC disse...

Não fiz a árvore. Podia ter beneficiado de uma já feita, mas fez parte de um exercício.

Ao contrário d´aqueles livros do estilo do Lord of the Rings e Wheel of Time onde a história se passa num mundo muito grande com lugares muito pequenos, esses livros incluem sempre um mapa, porque é suposto, se o autor achou que não devia ter incluído a árvore, então é porque talvez a confusão faça parte da mensagem...

Vanita disse...

Obrigada pelas respostas!!!

Eu não criei uma árvore genealógica porque quando me perdia estava tão embrenhada na leitura que não me apetecia voltar atrás por causa desse "pormenor". O meu truque foi arranjar nicknames para cada uma das personagens: o bonzinho, o mauzinho, o eremita, o tolo, yada, yada, yada. Depois passei a identificá-los como o neto ou o bisneto do bonzinho ou do maluquinho. Houve uma altura em que me perdi, mas depois voltei a encontrar-me. E simplesmente adorei o livro. Muito bom :)

Lila* disse...

Eu tb nao fiz!Mas nao foi facil de ler:)As vezes tive de vir para tras para perceber quem era quem!Mas adorei...esse e o amor em tempos de colera:)

Ana Red Nose disse...

Olá!
A minha irmã fez uma árvore genealógica que me emprestou quando o li! ;)