quinta-feira, novembro 12, 2009

18 anos

12 de Novembro de 1991.
Massacre no cemitério de Dili em Timor. Há dois dias só se falava na queda do muro de Berlim. Disto já ninguém se lembra. É triste!

8 comentários:

os bons morrem jovens disse...

virei seguidora
me amarrei no teu blog
:)

winkle disse...

ninguém se lembra, ou querem esquecer...

O Condutor disse...

True, True... mas como oito ainda que sendo um número redondo não é 5 ou 10, ou 15, ou 20... sabes bem que não se celebra com tanto empenho o 14º ano de... como se celebra o ano 15º. Deve ser uma falha do nosso cérebro.

Vanita disse...

Não é um número redondo, mas é o número com que se celebra a maioridade. Se calhar, também é importante. Aliás, o que interessa o número? É a data que conta!

Paya Titi disse...

Acredita que para as pessoas que ainda nao tem nada para enterrar contam 11, 12, 13, 14, 18 e muitos mais anos que vierem.

Ontem vi a tristeza que ainda atormenta quem ainda nao conseguiu compreender o que aconteceu, e porque aconteceu e quem sentiu na pele a crueldade do ser humano.

Ontem vi a revolta das maes, irmas que seguram as fotos dos entes queridos numa va esperanca de que pelo menos alguem lhes de algo para enterrar.

Ontem ouvi historias de quem foi separado a forca das pessoas mais proximas, de quem nunca mais ouviu falar dessas pessoas.

Ontem vi uma vila com velas a ladearem as ruas, em memoria dos que morreram porque na verdade so queriam ter direito a sua propria identidade, falar a lingua materna e ser simplesmente timorenses, um direito que durante largos seculos lhes foi vedado.

E hoje vejo a forca com que vivem o dia-a-dia, por mais dificuldades que enfrentem.

Pelo menos aquelas mortes tiveram um sentido. Fizeram parte de um encadeamento que levou a que finalmente este povo possa ser livre.

Beijos Vanita

pepita chocolate disse...

Sim, bem verdade. A mim. não me apeteceu falar nem de uma coisa nem de outra. Uma boa, outra demasiado má. Muito por culpa da política e de políticas. E sobre isso, apetece-me cada vez falar e pensar menos!

Beijoca!

Malae disse...

Eu recuso-me a esquecer. Passem 18, 25 ou 40. Não esqueço. Não perdoo. E tenho esperança que um dia alguém pague verdadeiramente pelo massacre dos inocentes. Aquele sangue queima as mãos de quem disparou os tiros impunes. Até um dia... espero!

É assim a sociedade, Vanita. São poucos e na sua maioria pobres. Interessam a ainda menos... Santa tristeza!

Beijinho grande e desculpa a revolta! Mexe-me mesmo com as entranhas!

Beijinhos,
Cátia***********

Iúri "Zúluri Regueiro" disse...

e vdd....