quarta-feira, junho 27, 2012

E depois há a dor

O assimilar de todos os contornos que não nos tinham passado despercebidos. A descrença no mundo que se tece de relações promiscuas e ambíguas. O impossível passar a perna de quem um dia demos a mão. A revolta nas entranhas, temperada com a certeza que ainda não é desta que nos derrubam. Custa, mas ainda não é desta.

4 comentários:

O Peru Ressabiado disse...

A descrição do meu estado de espírito..

su.sana | fo.to.gra.fi.a disse...

O meu comentário tem a ver com o livro que estás a ler, da Arundhati Roy.:) Recebi-o lá pelos 15 anos e nessa altura não passei das primeiras páginas... Voltei a pegar-lhe com o dobro da idade, há uns tempos, e mais uma vez não li mais do que um terço. Acho que é daqueles livros dos quais "devemos gostar", mas a mim não agarra...
E pronto, era isto. Estás a gostar?

;)

Back Door Man disse...

Não me digas nada. Estou hoje num daqueles dias em que......

Vanita disse...

@su.sana, de facto não se pode dizer que seja um livro fácil de ler. Temos de entrar no espírito da autora que, por vezes, é complicado. Mas estou apaixonada pelas personagens e quero muito acompanhá-las neste enredo que, embora se adivinhe simples, está tão elaborado.

Beijinhos :)