domingo, junho 20, 2010

Para Cavaco Silva

Tenho poucas palavras. Apenas lembrar que, daqui a 100 anos, ninguém saberá quem foi.

5 comentários:

Maldonado disse...

Concordo plenamente.
A literatura é que imortaliza os grandes homens, não a política... :)

Malae disse...

Assinado por baixo! Tristes figuras anda a fazer desde sexta feira, o senhor silva!

Beijinhooooooooo!
Malae*********

ocondutor disse...

De facto, é uma atitude que só lhe fica bem, sabendo nós o que sabemos dele. Para quem falou tanto em separação de poderes, está visto que não sabe do que fala.

Sadeek disse...

Vergonhoso mesmo!

BEIJOOOOOOOOOO

pfa disse...

Com o risco de ser trucidado... Saramago mereceu tratamento especial na hora da despedida pela obra literária. Mas tinha ideias politicas radicais, algumas perfeitamente disparatadas como defender a extinção do estado de Israel. Além disso várias vezes renegou a pátria e criticou Portugal nem sem sempre de forma construtiva. Também seria um pouco ridículo mostrar sentido luto por quem tanto destratou Cavaco e a classe política em geral. Mais, para além de algum orgulho bacoco, a obra de Saramago traz algo a toda a humanidade e nada em específico a Portugal. Enfim respeito imenso a obra do senhor mas o que se conhecia dele enquanto pessoa era muito abaixo do português médio. Mas cada um com as suas ideias. Mas radicalismos anti-semitismos e outras coisas que tais não obrigado. Outros prémios nobeis com semelhantes ideias já foram proibidos de entrar nos seus países quanto mais ter os PR nos seus funerais.