domingo, junho 20, 2010

Assim se vê do que somos feitos

Saramago morreu. O homem que um dia escolheu trocar a pátria por outro lugar onde se sentia melhor está de volta à terra que o viu nascer, de livre e espontânea vontade. O país recebe-o mas nem todos os braços estão abertos. Há quem escolha este momento para marcar posição. Cavaco Silva não vai ao funeral do escritor. O cão das lágrimas chora por ti, Portugal.

2 comentários:

Aninhas disse...

De repente, 90% dos portugueses lembraram-se que Saramago existe e que é português. E porquê? Porque fica bem...

No entanto, daqui a alguns dias, esses 90% vão esquecer-se novamente dele, restanto aqueles 10%. Aqueles 10% que o admiravam como homem e como escritor.

Bjx

pfa disse...

Grande escritor. Como homem não podia discordar mais das ideias dele. Pior ainda algumas eram mesmo a raiar um radicalismo muito perigoso. Há que separar a obra do homem, proteger e divulgar a obra, sim o pais deve tratar disso. Honras de estado ao homem são dispensáveis.