sexta-feira, janeiro 29, 2010

A Bela e o Paparazzo

Fiz as pazes com o cinema português. Hoje paguei um bilhete para assistir a um filme nacional no dia de estreia. Se já o tinha feito antes? Acho que sim, no tempo de "Tentação", "Corte de Cabelo" e outros que tais. Há muitos anos, portanto. Mas em 2004 que jurei que não voltaria a perder tempo com produções feitas cá dentro. Uma promessa que fiz depois de ter assistido a "Portugal, SA" que, simplesmente, odiei. Hoje não. Hoje gostei de namorar a minha Lisboa, linda e luminosa, captada pelas lentes de António-Pedro Vasconcelos, ao lado de Soraia Chaves e Marco D'Almeida. Gostei de me rir com o Nuno Markl no papel de si mesmo, brilhantemente acompanhado por Pedro Laginha. Aplaudir, mais uma vez - no "Arte de Roubar" já tinha ficado rendida - o talento de Ivo Canelas. E, sobretudo, gostei da história. Bem mais real do que alguns possam pensar. Se é um filme perfeito? Não é. Há por ali imensos erros e falhas, técnicas, de argumento, de continuidade, enfim. Mas convence-me. Convence-me que é possível elevar o cinema português a um outro patamar. Que não precisamos de recorrer ao cliché da gaja nua e dos palavrões para filmar em Portugal. "A Bela e o Paparazzo" é uma comédia romântica, despretensiosa e muito leve. Óptima para assistir em casa, num dia de preguiça. Atrevo-me mesmo a dizer que já assisti a filmes internacionais que me entediaram mais e me divertiram menos. Continuem assim!

P.S. - Os pinguins ficam até sábado!

4 comentários:

Gosto... disse...

Nunca vi um filme português no cinema, acreditas? É um preconceito que não consigo abandonar...

Fico à espera que chegue à tv...

BEIJOOOOOOO

Vanita disse...

Eu gostei muito :)

Ana disse...

Fiquei curiosa ;)

Anónimo disse...

conseguem me arranjar o download desse filme a bela e o paparazzo
tou inquieto pa o ver
e tambem cria outro o 100 volta