sábado, fevereiro 21, 2009

Imaginem a situação...

No dever do meu trabalho, enquanto falo com as pessoas com quem me relaciono profissionalmente, começo logo por dizer: "Se soubesse que era para isto nem tinha levantado!". E continuo, ao longo de todo o nosso relacionamento, com frases deste calibre. Mas sempre com educação, como se fosse banal e socialmente aceite. Pode ser um "isto não me paga nem o esforço de vir até aqui" ou "tantas horas de serviço para esta miséria". Eu não faço isto, pois não? As pessoas normais, no seu dia-a-dia profissional, por defeito, também não o fazem. Não digo que não apeteça, não digo que não o pensem. Mas não o fazem. Agradecia que - e isto é uma estreia neste blog mas a situação assim o exige - que os filhos daquela senhora que toda a gente sabe - afinal sempre me custa escrever asneiras, lamento - dos taxistas que me trazem a casa depois das duas da manhã me poupem a esta merda - olha, afinal sempre sai! - de comentários.

2 comentários:

Laura Rodrigues disse...

Uma vez ouvi disso tudo e muito mais do aeroporto para casa. O querido taxista até me disse que assim até dava para ir a pé (a pé do aeroporto até os Olivais). E eu já farta acabei por lhe dizer muito amavelmente que só por ter sentado o rabo no banco de trás e de ter colocado delicadamente a minha tralha toda no porta-bagagem, já valia a gota que ele ia gastar dali até casa. Afinal, até era perto. Mão ia ser uma maçada assim por aí além.

tia a. disse...

lololololololololololololololololololololololololololololololololol irresistível a forma como acaba por te sair a asneirola. A tia não seria capaz lolololololololololll